Nosso novo blog será lançado em: (Tempo Fantasia)

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Iludir os estudantes ou construir uma nova direção? | Uma polêmica com o PSOL


O Brasil mudou, sua situação política mudou e o que parecia muito distante até então veio com uma força acelerada e fulminante. As mobilizações que aconteceram em junho deste ano já marcam a história das lutas em nosso país. A transformação na consciência do jovem brasileiro – que passou de uma condição passiva da política para uma não só ativa, mas cotidiana – permanecerá por muito tempo e não voltará para o mesmo nível do que era antes de junho. Quase dois meses após a semana em que dois milhões de pessoas foram às ruas em todo país, e um mês após a grande mobilização da classe trabalhadora no 11 de julho, ainda vemos várias manifestações da juventude, como as ocupações das câmaras e atos com as mais diversas pautas. Isso mostra toda a indignação do jovem brasileiro.
Porém, para nós marxistas-leninistas, não basta contemplar o momento único que a história nos proporciona, é preciso ao máximo estudar a realidade sob a luz do método marxista para melhor compreendê-la e com isso avançarmos em nossas intervenções cotidianas. Isso significa que precisamos rever nossas posições políticas, ter sensibilidade para entendermos que uma alteração na situação política de um país exige uma alteração na política que vamos propor ao conjunto de ativistas e manifestantes, que as palavras de ordem antes puxadas já não surtem mais efeito, pois não estão adequadas para esse momento que passamos e que precisamos avaliar nossas antigas posições para não nos colocarmos como um empecilho para a transformação da sociedade. 
Queremos aqui fazer uma polêmica fraterna com os camaradas do PSOL e sua principal política no movimento estudantil, a permanência na União Nacional dos Estudantes (UNE) a partir da composição da Oposição de Esquerda.

A verdadeira legitimidade da UNE na juventude brasileira


É de conhecimento de uma parte dos ativistas e militantes do movimento estudantil brasileiro a recusa do PSOL em construir a Assembleia Nacional de Estudantes – Livre (ANEL), entidade estudantil surgida em 2009 com o intuito de se contrapor à política governista da UNE a partir de uma série de princípios que vão desde a independência financeira até a aliança operário-estudantil, princípios estes que não existem na UNE.
Um dos principais argumentos utilizados pelos camaradas é a legitimidade que a UNE possui no conjunto dos estudantes brasileiros, o que justificaria a necessidade de participar dos fóruns da UNE, legitimá-los a partir da tiragem de delegados para seus espaços (como o que aconteceu recentemente para o CONUNE), e disputar cargos de direção da entidade.
O CSOL – corrente interna do PSOL que constrói o coletivo Rompendo Amarras – afirma em um de seus documentos que “O Conune, maior espaço da entidade, costuma juntar aproximadamente 4 mil delegad@s e 8 mil estudantes no total. A tiragem de delegad@s por universidade, tendo quorum mínimo de 5 % do total de estudantes matriculados, significaria que aproximadamente 4 milhões de estudantes estariam “representad@s”. A expectativa da oposição de esquerda da UNE é de ter aproximadamente 400 delegad@s, sendo 400 mil “representad@s”[1]. Já o MES –  outra corrente interna do PSOL que constrói o coletivo Juntos – também se ancora no argumento da legitimidade da UNE entre a maioria dos estudantes brasileiros, e esta fala se confirma quando, no vídeo de chamado ao 53º CONUNE, uma das principais figuras públicas deste coletivo é o responsável por sustentar tal argumento. [2]
Na lógica dos companheiros e companheiras do PSOL, uma vez que existe uma maioria esmagadora dos estudantes que legitimam e se sentem representados pela UNE, não é suficiente disputá-los diretamente em suas escolas e universidades, não são suficientes as ações clássicas do movimento estudantil, como passagens em salas e panfletagens nos Restaurantes Universitários. Não, a disputa só se tornaria completa quando participamos de todos os fóruns da UNE; só se tornaria completa quando tirássemos delegados para poder intervir com mais “qualidade” nos espaços; só se tornaria completa quando para “negá-la”, precisássemos afirmá-la ainda mais e numa proporção muito maior do que nossa suposta negação.
Mesmo esse argumento por si só não sendo válido, a pergunta que precisamos fazer é: seria a UNE tão legítima e representativa para o jovem brasileiro como afirma o PSOL? Nas jornadas de junho, na semana entre 17 e 23, saíram às ruas mais de 2 milhões de pessoas em todo o Brasil, em sua maioria divididos em alguns grupos de secundaristas, universitários, e por fim (e provavelmente o grupo mais volumoso) jovens com empregos precarizados, que trabalham de dia para pagar o seu estudo, em uma universidade particular, à noite.
Façamos um pequeno cálculo matemático agora: o PSOL afirma que milhões de estudantes (e, portanto milhões de jovens) legitimam e se sentem representados pela UNE, e a realidade nos mostra que milhões de jovens foram às ruas em junho. Não seria absurdo dizer que entre esses dois conjuntos (1. número de jovens que legitimam a UNE e 2. número de jovens que foram às ruas) há uma generosa intersecção de pelo menos alguns milhares de estudantes. Por que não se via jovens saírem de suas casas enrolados na famosa bandeira azul da entidade? E mais, por que nas mobilizações em todo o país esses jovens mandaram baixar as bandeiras da entidade que supostamente eles legitimam e se sentem representados?
A resposta não pode ser outra, e não é: a verdade é que a UNE não representa a juventude que saiu às ruas; que a UNE que foi protagonista nas lutas do passado já não existe mais; e que essa juventude que está disposta a se chocar contra todas as formas de governos, só conhece a UNE a partir das fotos e a associa com o que há de pior na política brasileira e pelos regulares ataques que ela faz aos direitos estudantis. Quem legitima a UNE não é o estudante brasileiro, isso ficou muito claro em junho, quem na verdade a legitima é a política da Oposição de Esquerda que quer convencer os estudantes que disputar a UNE ainda vale a pena.
Antes que os camaradas queiram rebater com argumentos de que “a bandeira da ANEL também foi obrigada a ser baixada nos atos”, dizemos com toda sinceridade que infelizmente isso é verdade. Trata-se também de um reflexo da experiência feita por esses jovens que ao longo de 10 anos, não tiveram a UNE como entidade que estivesse em sua defesa, mas sim na defesa das políticas do governo. Além disso, a grande maioria dos jovens brasileiros ainda não perceberam a justeza de construir uma nova entidade estudantil anti-governista que esteja a serviço da luta da juventude e da classe trabalhadora. Porém, esse dia chegará e a juventude que hoje se coloca em movimento construirá sua nova direção e nós acreditamos firmemente que a ANEL contribuirá com este projeto. Dito isso, seria desonesto comparar uma entidade histórica de mais de 70 anos, com uma entidade com 4 anos. Não seria uma análise séria desconsiderar que a falência da UNE na tarefa de defender os interesses da juventude brasileira afeta a consciência desses jovens de um modo a negar qualquer tipo de organização.

Existe uma esquerdização por parte da UNE?


Segundo León Trotsky, revolucionário russo, uma das características de uma situação revolucionária é a esquerdização da classe média ou pequeno-burguesia, ou seja, quando a classe média de um determinado país apoia massivamente a tomada do poder pelo proletariado. Apesar de não haver uma situação revolucionária no país, é possível afirmar, a partir do apoio massivo da população e de sua participação nas manifestações, que há uma esquerdização da classe média no Brasil, e que parte dos jovens brasileiros estão nesse processo.
A esquerdização de uma ampla parcela da sociedade é algo fundamental para o avanço das lutas, não só pelo fato de se colocar em movimento um amplo setor, mas também porque pressiona as centrais sindicais burocratas a também se colocarem em movimento: uma base “esquerdizada” pressiona uma esquerdização por parte da sua direção.
Duas das maiores centrais sindicais do Brasil, Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Força Sindical, ambas burocráticas e governistas, foram pressionadas por suas bases a aderirem às paralisações do dia 11 de julho. É fato que elas não queriam participar das manifestações; é fato que o PT, partido que dirige a CUT, não queria sua participação. Porém, a pressão das massas fez com que elas participassem, fazendo com que o dia 11 fosse uma das maiores paralisações da história do movimento sindical brasileiro. Negar isso, como faz o PSOL, é negar uma forma de organização da classe, suas direções, seu nível de consciência e seus métodos de luta.
A pergunta aqui, no entanto, é: o que aconteceu com a CUT e a Força Sindical também aconteceu com a maior burocracia do movimento estudantil? Ou seja, a juventude saindo às ruas pressionou a UNE a sair também? Fez com que essa entidade adotasse um discurso e uma política mais à esquerda do que vinha fazendo no passado?
A resposta é “não”! Tal fato não aconteceu e o próprio CSOL confirma isso, em suas conclusões sobre a primeira reunião da diretoria plena da UNE, da qual o PSOL faz parte. Eles afirmam já nas primeiras linhas: “Não houve nenhuma grande novidade na forma de condução do espaço da UNE pela UJS e o restante da diretoria majoritária. Não houve nenhuma grande surpresa na defesa quase que irredutível ao Governo Federal Petista, provando que a tão importante autonomia dos movimentos sociais passa longe da UNE há anos”.[3]
Isso significa que mesmo com uma mobilização de massas, majoritariamente de juventude, com pautas como 10% do PIB pra educação pública já, Passe Livre já, 10% do PIB pra saúde púbica já, a direção atual continua defendendo o governo do PT e não se sente pressionada a ouvir a voz dos estudantes quem vem das ruas e muito menos defender seus interesses. Mais explícito ainda da falta de compromisso com a juventude brasileira e da não “esquerdização” por parte da UNE é a aprovação do Estatuto da Juventude, um ataque ao direito estudantil da meia entrada. 
Tal elemento não é secundário e não pode ser ignorado pelos militantes do movimento estudantil, pois caso houvesse uma esquerdização da UNE seria tático discutir se era correto ou não impulsioná-la e a melhor maneira de fazê-lo, fosse por dentro ou por fora da entidade. Porém, uma vez que a UNE não foi legitimada durante as jornadas de junho, e que ela não se sente nem um pouco pressionada em defender os interesses dos estudantes, é possível afirmar que não aconteceu nenhuma virada à esquerda por parte da UNE, e mais, que ela está se consolidando cada vez mais como o braço do governo no movimento estudantil. Por isso, fazemos uma pergunta honesta aos camaradas, o que vocês querem e esperam da União Nacional dos Estudantes?

Negar o velho e construir uma nova direção


Nesse primeiro momento de mobilização, em que, mesmo havendo um alto salto na consciência dos brasileiros e brasileiras, este ainda não representa um ruptura completa com a sociedade atual. É normal que os milhões de manifestantes que se colocaram em movimento achem mais fácil negar a velha forma de fazer política e suas instituições do que propor o novo.
O fato de a UNE não construir as lutas nos últimos 20 anos não traz apenas uma consequência objetiva – uma série de derrotas ao movimento estudantil e à juventude brasileira –, mas também um elemento subjetivo: 20 anos sem lutas significa um atraso na consciência do jovem que agora se manifesta na desconfiança por eles com as centrais sindicais, partidos políticos e entidades estudantis. 
O que os camaradas do PSOL não compreendem, é que parabenizar e enaltecer essa negação por si só é um erro. Quando os camaradas negam o 11 de julho por completo, não diferenciando as centrais que estão apenas contribuindo para o retrocesso da consciência da juventude, nossa verdadeira tarefa é elevar a consciência deles, mostrando que, se é certo que negar PT, CUT, UNE e outras centrais sindicais, também é certo explicar pacientemente para esses novos camaradas que estão se formando nessas mobilizações que é necessário construir uma outra direção, controlada pela base, que seja capaz de conduzir a juventude junto com a classe trabalhadora a uma vitória contra esse regime.
Ao não propor isso, e ainda mais, ao continuar legitimando uma entidade como a UNE, os camaradas falham na tarefa mais importante: a de mostrar aos jovens e trabalhadores brasileiros que eles são senhores do seu próprio destino, que eles podem e devem romper com a lógica da sociedade atual e construir uma nova sociedade onde não haja nenhuma forma de exploração, e que isso não vai cair do céu, mas apenas com uma luta consciente e organizada, luta esta que exige uma forma sólida de organização.
Nós da juventude do PSTU, continuaremos nessa perspectiva, a de explicar pacientemente para todos os jovens militantes, camaradas valorosos, que hoje andam lado a lado conosco nas manifestações em todo o Brasil, a necessidade de construir organismos da classe, pela classe e a serviço da classe, para que possamos elevar a qualidade de nossa luta. Nesse sentido, continuaremos a apresentar a ANEL, única entidade estudantil anti-governista capaz de ser o embrião de uma organização muito mais poderosa. A todos que hoje participam das manifestações, é preciso parar de iludir os jovens com o velho, é preciso construir o novo!

Por Guilherme Barbosa, da juventude de FORTALEZA

Um comentário:

  1. vai la vanguarda! e ainda ataca os black blocs eahIUEhiUAHEIUHAIUE

    ResponderExcluir

About Me

Minha foto
Este é o blog do PSTU em Fortaleza. Confira aqui debates, agendas, dê sugestões e ajude a fortalecer um projeto classista e socialista.
Tecnologia do Blogger.

Blog Archive